Muitas vezes ficamos admirando pessoas que obtiveram sucesso na vida.

Exemplos clássicos de sucesso incluem empreendedores, políticos, investidores, atletas, músicos, atores, escritores e religiosos.

Mas o que significa de fato ter sucesso? Onde aprendemos a admirar essas pessoas? E por que desejamos ter esse sucesso?

Pensando nessas questões, quero trazer essa reflexão como um ponto de partida para a desconstrução dessa imagem em que dinheiro, fama e poder são sinônimos de sucesso.

O que é o sucesso?

Tendemos a considerar tendo sucesso aquelas pessoas que se tornaram notórias por algum feito econômico, político , religioso ou cultural. Aliado a isso, como comentei, a fama, dinheiro e poder são elementos que acabam também fazendo parte das categorizações.

Quer fazer um teste? Vai no Google e pesquisa por “ter sucesso” ou “pessoas de sucesso”. Os seus resultados devem ser similares a esses:

como ter sucesso no google

Pensando nesses aspectos comentados, na minha opinião já temos alguns problemas sérios que podemos questionar:

  1. Existe um tipo de sucesso específico e que serve para todos
  2. Existe um caminho para atingir esse tal sucesso
  3. A diferença entre você ter ou não sucesso está nas suas atitudes com a vida
  4. É fácil ter sucesso, basta seguir algumas “dicas”
  5. Você deve desejar esse sucesso

Um tipo específico de sucesso

Para começar, eu não acho sucesso é algo universal. Na nossa cultura ocidental capitalista é natural que vemos o dinheiro como sinônimo de sucesso, mas não é assim no mundo todo e, muito menos, não é assim na natureza humana.

Entendo também que é natural vermos a fama como sinônimo de sucesso a partir do momento que temos como referência pessoas populares nas mídias e as mídias reforçam o seu status como especiais, algo a ser desejado.

Já o poder tem uma característica ainda mais complexa, pois é um comportamento que, quem sabe, pode ser mais próximo do natural do ser humano. Muitos animais disputam por poder – pelo menos na nossa interpretação humana de seus comportamentos -, então pode ser que seja algo mais próximo dos nossos instintos animais na busca por estabilidade e possibilidade de ação. No entanto, a noção do que significa poder muda com o desenvolvimento das culturas e tecnologias. Antes ter terras e exército era poder, depois passou a ser o dinheiro e hoje estamos caminhando cada vez mais para tratar a informação como poder.

Quando lemos os artigos ou livros e assistimos os vídeos falando sobre sucesso, grande parte tem uma ideia do que significa ser bem sucedido como referência.

E essa ideia é fictícia. É uma criação e um ponto de vista. Não precisamos aceitar, seguir, concordar ou mesmo seguir as dicas. Mas esse ponto vem mais para frente no texto.

Existe um caminho para o sucesso

Agora que já estamos em dúvida se o lugar de destino do sucesso é realmente “bem sucedido”, o caminho para ele não faz mais tanto sentido.

Afinal, mesmo que se soubermos qual é o destino, existem infinitas maneiras de se chegar até lá. Os governos e “a sociedade” podem até insistir que temos um caminho pré-definido na vida que passa pela escola, depois vem a universidade, aí você entra num emprego fixo, casa, tem filhos e depois de uns anos aposenta para curtir a vida.

Mas não precisa ser assim.

Uma das grandes vantagens de viver em um mundo liberal é que, na teoria, temos a liberdade de seguir nossos caminhos pelas nossas regras. Naturalmente, quando vivemos em sociedade abdicamos de certas liberdades (as leis do Estado) para poder nos relacionar bem com os outros, mas no final das contas podemos escolher quais são as regras sociais e culturais que desejamos seguir.

Se queremos um emprego mais formal, podemos escolher seguir o caminho, comprar um terno e mandar os currículos. Caso contrário, também podemos ignorar isso tudo e empreender; quem sabe até vender miçangas na praia.

A ideia que existe um só caminho é, novamente, inventada, cultural e podemos a questionar.

Sucesso vem por atitudes

Eu sou o tipo de pessoa que acredita que meu sucesso é decorrente da maneira que ajo. Tenho uma série de atitudes que considero importantes para que eu tenha o sucesso que almejo.

No entanto, novamente essa é só uma maneira e parte normalmente de quem tem privilégios na vida. É muito simples tomar banho gelado, fazer jejum intermitente e ir em mais eventos de empreendedorismo quando não se precisa preocupar com a sobrevivência da família, doenças ou outras dificuldades.

As atitudes podem sim transformar a forma como vemos a vida e nos colocar em uma posição de ter mais oportunidades para conquistar melhores condições financeiras, psicológicas e com nossos relacionamentos.

No entanto, essa é só uma parte. Há um papel muito grande das políticas públicas, das pessoas que estão ao nosso redor e da gama de ação que podemos ter dependendo da loteria do berço. Se você nasce numa família equilibrada da classe média alta e possui características físicas da classe dominante, mude suas atitudes e você vai longe nos seus objetivos.

Já se nasce numa família complicada, violenta, sem dinheiro e suas características físicas implicam em preceitos sociais, então só a mudança de atitude pode não ser suficiente e só fazer essa mudança deve ser algo mil vezes mais difícil.

Dicas para o sucesso

Não. Não é tão fácil assim. Dicas podem abrir sua cabeça para as possibilidades, mas é a resiliência, persistência, humildade, compaixão, incentivos e paixão que nos levam adiantes nas mudanças que desejamos na vida.

Você necessita desse sucesso

Você precisa ter sucesso na vida? Por que? Ta escrito no manual da experiência humana que precisamos buscar o sucesso na vida?

Até onde me lembro, não.

Essa é mais uma noção que tem muito a ver com a busca pro um sentido na vida. Religiões por muito tempo deu esse norte na vida a partir das respostas para as perguntas existenciais.

De onde vim, para onde vou, quem eu sou, por que estou aqui, como isso tudo aqui foi criado.

Ainda hoje religiões cumprem um papel chave na tranquilidade humana para a resposta dessas perguntas. No entanto, a ciência e o capitalismo preferem outras respostas e parte delas passa pela busca de um propósito de sucesso na vida que nós, como seres que decidem nosso próprio destino, temos que encontrar, reconhecer e buscar na vida.

Porém, mais uma vez isso faz parte de uma construção cultural humana e não necessariamente precisamos concordar ou seguir.

Nesse aspecto, gosto muito da tranquilidade do pensamento agnóstico que acho que se encaixa muito bem aqui. Em vez de ter que ter todas as respostas, que tal reconhecermos nossa própria ignorância? Podemos buscar as respostas, mas não precisamos achar que estamos sempre certos; ou pior, achar que os outros estão errados e nós certos.

A busca por um propósito universal é estressante e tranquilidade só vem quando entendemos que temos limitações e que a ignorância e a contradição podem fazer parte da nossa existência.

O que então pode ser o sucesso?

A partir de toda essa desconstrução, como fica a ideia de sucesso?

Incrivelmente, o dicionário pode nos dar uma pista de como acredito que devemos lidar com o sucesso:

“bom resultado; êxito, triunfo”

Ou seja, a noção de ter êxito ou um bom resultado é tão vaga e ampla que se encaixa perfeitamente aqui. O que você considera como positivo na sua vida?

O que você acha interessante, importante e especial provavelmente é diferente do que eu considero para mim. Logo, a sua ideia de sucesso pode ser diferente da minha.

Cada um de nós pode explorar nossas peculiaridades e tentar encontrar o que significa ter sucesso individualmente. Inclusive, nós mesmo mudamos com o tempo e o que é sucesso para meu Eu de 20 anos pode ser completamente diferente do meu Eu de 30.

Mudanças e contradições podem existir e a celebração do nosso sucesso pode ser tanto compartilhada com outros que entendem o que o sucesso significa para você quanto individualmente naqueles momentos que só nós sabemos da importância de uma conquista.

A admiração e desejo pelo sucesso alheio

Questionei acima sobre o que significa sucesso e expliquei como eu acredito que cada um de nós pode ter sua própria versão de sucesso.

Agora, está na hora de falar sobre nossa admiração pelo sucesso dos outros. Eu não posso falar muito sobre como era a relação com a admiração do sucesso antigamente, afinal tenho 30 anos e prefiro falar da minha própria observação e experiência.

Por isso, quero começar enfatizando o papel que as redes sociais tem na maneira como legitimamos e admiramos outros indivíduos.

Gosto de pensa na admiração por meio de um reconhecimento de qualidades e virtudes em outras pessoas. Ao mesmo tempo, vem o questionamento sobre quais são essas qualidades e virtudes.

Acima falei um pouco sobre essa noção cultural de valores e qualidades. Cada cultura humana possui uma série de valores e virtudes que são consideradas como boas e desejáveis e outras que são ruins e que devemos ficar longe.

Porém, a influência das mídias sociais reforçam alguns valores ocidentais e, mais especificamente, estadunidenses que não necessariamente são desejáveis por nós. Alguns desses:

  • Corpo malhado e magro
  • “Hardwork” – trabalhar muito
  • Fazer viagens
  • Alimentos bonitos e bem preparados
  • Maquiagem
  • Roupas e fast fashion
  • Consumismo

As publicidades, as recomendações e até mesmo a experiência dos outros que observamos contribuem para a formação dos nossos desejos e, lentamente, vão construindo nossa noção do que é bacana e do que não é; do que é admirável e do que não é; do que almejamos e do que não.

Somente quando tomamos conta e buscamos fundo dentro de nós as razões por trás das vontades é que nos damos conta das influências externas.

Tudo isso é natural e não tem a ver com ser bom ou ruim. Como indivíduos raramente temos ideias novas de verdade. No fundo somos a mistura das nossa cultura, nossa educação, nossas experiências e, quem sabe, de outras forças que não temos conhecimento ainda.

Somos a combinação de influências.

Aqui o ponto, no meu ver, é que é só importante entender se as pessoas que admiramos e que nos influenciam – aquelas que nós as legitimamos – realmente possuem valores e virtudes que estão alinhados com nossas vontades mais íntimas para nós e para o mundo.

O que acontece muitas vezes é que essas influências são ruídos que nos tiram o foco do que realmente é importante para nós.

Conclusão

Ao longo dessa reflexão busquei explicar minha visão sobre o sucesso. De forma resumida, acredito que todos nós podemos questionar se aquilo que acreditamos como sucesso é algo que realmente queremos em nosso íntimo ou é fruto de influências externas que não são tão importantes; mas que acabamos aceitando inconscientemente para fazer parte da sociedade.

O sentimento de nos sentir parte do bando, da tribo, é algo muito forte. Recentemente assisti o documentário “A terra é plana” no Netflix e vamos como que, mesmo os próprios terraplanistas fazendo experimentos que provam que a terra é redonda, eles não conseguem compreender a informação que os tirará do grupo. Os colocará fora daquela tribo.

Fazemos esse tipo de coisa o tempo inteiro. Preferimos não entrar em conflito. Preferimos fazer parte.

No entanto, pode ser que “fazer parte” significa ir de encontro ao que é realmente importante e está adormecido dentro de nós.

Ter sucesso, no meu ver, é respeitar nossas intuições e nossos desejos mais íntimos. Quando vamos nessa direção, estamos sendo bem sucedidos.

Divirta-se!