Em 2008 eu comecei a trabalhar de forma autônoma, mas até o momento era mais como uma parte do meu dia e não sabia ainda se seria a tipo de carreira que eu gostaria. 5 anos depois eu tomei a decisão de ser 100% autônomo e eu entrei de cabeça sem nem pensar em quais desafios ou o que eu precisava.

Então nesse artigo vou te apresentar algumas reflexões que eu gostaria de ter me feito antes de abraçar esse estilo de vida independente como freelancer e profissional autônomo.

Devo dizer que esses são questionamentos que podem te ajudar a entender se esse é o estilo de vida que você deseja. Para mim não há outra forma de viver a vida a não ser através da independência profissional.

O que significa ter independência profissional?

Antes de entrar a fundo no conteúdo, acho que é preciso definir o que considero como independência profissional.

Apesar de estar mudando, ainda vivemos um mundo que tem como padrão o caminho:

Escola > Faculdade > Trabalhar em uma empresa > Aposentar

Autonomia profissional, para mim, é termos a responsabilidade pelo nosso sucesso profissional e, mais do que isso, conseguirmos ser os provedores de fato do nosso sucesso.

Nesse sentido tem duas perspectivas interessantes que já acredito serem interessantes apontar:

1- A autonomia profissional não necessariamente começa na época de “trabalhar em uma empresa’, mas está presente em todos os níveis. Até mesmo na escola é possível já começar.

2- Sucesso é uma opinião. Não existe uma definição geral e sim é aquilo que consideramos como nossos objetivos. Mais do que isso, sucesso não é algo fixo que determinamos uma vez e aí temos que viver o resto da vida com essa ideia. Assim como nossos gostos, nossos propósitos e objetivos são maleáveis.

Quais são os desafios da vida autônoma ou freelancer?

Em primeiro lugar, tem uma série de desafios que são compartilhados entre praticamente todos os tipos de trabalhos, mais tradicionais ou não. Desafios de conhecimento, motivação, retorno financeiro, ansiedade e diversos outros fazem parte do que qualquer tipo de profissional tem que enfrentar.

Contudo, por outro lado temos alguns desafios que são mais acentuados para quem trabalha como freelancer ou profissional autônomo. Alguns deles que podemos citar:

Marketing pessoal / personal branding

Em geral para quem trabalha para outras pessoas - ou mesmo até para alguns empreendedores - o marketing pessoal não passa de um perfil OK no LinkedIn. Já para que tem o seu nome como própria marca e reputação a história é bem diferente.

Além de um LinkedIn organizado é preciso um portfólio bem estruturado, uma forma de se comunicar com os clientes, parceiros e potenciais clientes e uma estratégia de marketing bem definida.

Vendas

A não ser que você já trabalhe com vendas, é possível que esse tópico gere um pouco de aflição ou até repulsa. Afinal, parte de trabalhar como freelancer ou autônomo significa fazer o que gosta e nem todo mundo gosta de vender.

Tem pessoa que tem facilidade para vendas, mas, assim como todos tópicos aqui nesse artigo, vender é algo que pode ser aprendido. A maior parte de uma negociação vem de preparação e técnicas, então pode ficar tranquilo(a) que é possível deixar de ser um problema.

Organização financeira

Apesar de todo mundo precisar de uma educação financeira, para profissionais independentes isso é um tanto mais importante pois precisamos fazer a organização tanto pessoal quanto do nosso negócio.

Sim, trabalhar como freelancer ou profissional autônomo é igual ter uma empresa e quanto mais separar as finanças pessoal e profissional, melhor.

Motivação

Às vezes ter um chefe ou colegas de trabalho pode ser um grande motivador. O que acontece muitas vezes com quem trabalha para si próprio é que quem tem que encher nosso saco somos nós mesmos.

Por mais que o trabalho como freelancer ou autônomo é, em geral, mais prazeroso, ainda assim temos momentos que vamos lidar com desafios e também ter que trabalhar nas finanças, vendas, etc. Nesses momentos a motivação é um desafio.

Instabilidade

Uma perspectiva comum sobre o trabalho autônomo é a instabilidade de trabalhos e financeira. No fundo quem trabalha dessa maneira não costuma receber o mesmo valor todos os meses.

Saber ter organização financeira e também das tarefas é super importante aqui para que isso não seja um grande desafio. Eu gosto de pensar que é preferível termos a responsabilidade pelo nosso sucesso do que depender de algum chefe ou colega de trabalho. Isto é, o que talvez seja instabilidade é ter nossa estrutura profissional dependente de uma pessoa ou empresa.

Quais são os benefícios da vida autônoma e freelancer?

Naturalmente, não são só de desafios a vida de profissionais independentes. No meu ver existem muitos mais benefícios. Ou talvez até melhor dizendo, os benefícios são mais importantes e não necessariamente mais numerosos.

Liberdade de expressão

Por mais que existam empresas inovadoras, abertas, divertidas e até horizontais, não acredito que temos liberdade de nos expressar completamente nelas. A visão da empresa pode até coincidir com a sua; a missão e valores pode ter a ver com o seu jeito de agir. Mas seu trabalho muito dificilmente será a expressão completa do que você é.

Como profissional independente, muitos dizem que agora não temos um chefe, mas sim vários pois o cliente é seu chefe. Nesse sentido eu discordo completamente. O cliente é um parceiro de negócios e só faz sentido trabalhar com um cliente se tivermos abertura para criar um trabalho que tenha também nossa cara.

Trazendo uma perspectiva que alguns de meus mentores me passaram: O que faz grandes profissionais renomados serem cobiçados e especiais (e caros) não é porque eles fazem um trabalho bom e exatamente o que o cliente quer, mas sim porque eles fazem o que querem e provavelmente será melhor do que o cliente pensava ser possível.

Isso não quer dizer arrogância, é bom colocar. Os bons profissionais estão mais interessados em ouvir, considerar e até mudar de ideia. Mas liberdade de expressão significa ter a tranquilidade de expor quem cada um é e desenvolver um trabalho com propósito.

Ter liberdade de expressão acontece somente em um ambiente autônomo? Não, mas foi a maneira que encontrei.

Liberdade de tempo

Esse é um ponto super importante para mim. Lembro de dois sentimentos da minha infância e adolescência que acho que podem introduzir bem esse aspecto.

Em primeiro lugar, eu nunca gostei de acordar cedo. Para mim o melhor horário para trabalhar e estudar era de noite e madrugada. O resultado é que metade da minha manhã na escola eu dormia.

Já sobre a outra parte da manhã é que vem o segundo sentimento. Praticamente todos os dias antes de sair de casa para a escola eu ficava olhando ao redor do meu quarto para saber qual livro eu levaria ou o que eu faria na segunda parte da manhã que eu não estaria dormindo.

Aprendi um pouco de Francês, aprendi a desenhar e até criei minha própria criptografia. Tudo isso porque para mim aquele momento logo após eu acordar era o melhor momento para desenvolver habilidades novas e o ensino da escola era só uma obrigação que eu poderia me virar depois.

Hoje já no mercado de trabalho há uns bons anos eu me tornei melhor em administrar o tempo e, principalmente, entender que está tudo bem se eu quero fazer o trabalho um dia de madrugada e na manhã seguinte dormir a té meio dia. Ta tudo certo.

Liberdade geográfica

A definição que eu mais gosto de liberdade geográfica é ‘poder estar ou morar em qualquer lugar’.

Isso naturalmente envolve ter uma vida pessoal e profissional organizada e que possibilite essa mobilidade. Dá pra ter liberdade geográfica com qualquer tipo de trabalho autônomo e freelancer?

Não.

É pra todo mundo?

Não.

É pra sempre?

Não.

Liberdade geográfica é para quem gosta de conhecer novos lugares e busca um trabalho remoto e/ou autônomo.

O que cada pessoa faz com suas liberdade já é outra conversa. Mas só para aproveitar, no momento eu e minha esposa e sócia vivemos como nômades digitais. Isso é, não possuímos uma residência fixa e de tempo em tempo mudamos de cidade/país. Ter essa liberdade é um tanto mais simples quando somos nossos próprios chefes.

Liberdade financeira

Esse já é um ponto bem controverso pois realmente varia demais de mercado para mercado. Mas eu acredito que a liberdade financeira vem para profissionais que seguem uma série de boas práticas como:

  1. Conseguem resolver problemas reais de clientes
  2. Atendem de forma incrível seus clientes
  3. Gostam do ofício que fazem
  4. Utilizam sua rede de contatos
  5. Executam um trabalho bem feito

Um ponto importante sobre liberdade financeira é que ela não significa ganhar muito dinheiro. Mas sim estar em uma situação em que as finanças deixam de ser um problema. Para já citar algumas dicas de como isso é possível:

  1. Ter organização financeira
  2. Viver de forma mais minimalista
  3. Fazer projeções
  4. Entender os riscos financeiros de cada situação

Conclusão

Ao longo do artigo passamos por alguns desafios e benefícios que hoje considero como importantes na decisão de quem está buscando uma vida como profissional autônomo ou freelancer. Esses pontos podem também ser aplicados a empreendedores e até a profissionais liberais.

Como referência para você, hoje esse mercado de profissionais independentes é o que mais cresce e provavelmente será cada vez maior no futuro. Isto porque está cada vez mais fácil contratar serviços bem feitos sem precisar recorrera a empresas com margens enormes de lucro. Além disso, profissionais sensacionais não precisam estar dentro de uma organização empresarial pois ganham muito mais fora.

O que você acha sobre esses pensamentos? Deixa aí nos comentários e vamos conversar.

Divirta-se!

Autonomia Profissional Banner