O Site está expandindo e em desenvolvimento! Quer contribuir? Manda um oi

Liberdade Profissional

Liberdade Profissional é mais do que apenas uma maneira de encarar a vida profissional. É olhar para a vida com responsabilidade pelo nosso desenvolvimento e também pelo impacto positivo que podemos ter no mundo. Fazer parte dessa comunidade significa estar alinhado com a ideia de que nossa visão de mundo não é e nunca será absoluta ou a certa; de que todos os indivíduos merecem respeito; de que é nossa responsabilidade contribuir para a criação de um mundo que tenha liberdade não só para um pequeno grupo de pessoas, mas para todos.

Liberdade, por sua vez, significa ter as condições básicas de sobrevivência, acesso ao conhecimento, apoio, oportunidades e também capacidade de escolher seu caminho.

Esse manifesto tem como objetivo servir como uma declaração do que esse movimento apoia e como guia para quem deseja fazer parte. Cada uma de suas partes explora um aspecto diferente do que acreditamos tanto para a vida profissional quanto para nossa responsabilidade social.

Naturalmente, não estamos mais na época que as coisas são escritas em pedra ou em papel, isto é, esse documento pode ser e será atualizado de acordo com nossos novos aprendizados e desenvolvimento como organização. Inclusive, queremos te ouvir e disponibilizamos um formulário para que possa enviar sugestões, críticas, elogios e comentários sobre nosso manifesto.

O que é Liberdade Profissional

A Liberdade Profissional, na sua definição mais simples, está relacionada com a nossa capacidade atuar profissionalmente nesse mundo da maneira que desejamos. No entanto, mesmo sendo já algo difícil, nós consideramos como muito mais do que isso.

Para compreender o momento atual, temos as seguintes premissas:

Primeiro, o trabalho é uma das nossas expressões de maior valor. Passamos a maior parte da vida engajados em nossas profissões – seja nos preparando com estudos para elas ou as executando -, mas grande parte da população não tem um sentimento de conquista, felicidade, emoção, orgulho ou até de que somos importantes e que nossas atividades tem um impacto real e único.

Além disso, estamos entrando em uma era na qual a tecnologia substituirá grande parte dos postos de trabalho, o que reduz ainda mais nossa capacidade de contribuição social como humanos. Ao mesmo tempo, os sistemas de educação ainda se ausentam do ensino de tópicos que vão desenvolver indivíduos críticos, criativos, sociáveis, confiantes e inovadores; mantendo seu foco em matérias técnicas que já não fazem mais sentido uma vez que a tecnologia é muito melhor do que nós nelas.

Na esfera nacional, para viver em sociedade abdicamos de parte de nossas liberdades e direitos aos governos. Com isso, acabamos colocando a responsabilidade nos políticos e instituições para resolver esses problemas. No entanto, essas instituições não estão sabendo lidar com as mudanças na velocidade que precisamos, agendas individuais de grupos políticos tomam conta dos debates e o que é realmente importante fica de lado.

Por sua vez, já vivemos em um mundo hiper conectado e a tendência é que cada vez mais a velocidade e facilidade de compartilhar informações aumente. A globalização implica que temos acessos quase imediatos a diversos mercados, informações, pessoas, serviços, produtos e ideias do mundo todo. As culturas que podem investir na exportação de suas formas pensar por meio da mídia contagia indivíduos independente de sua origem, gera empatia para o que é diferente e, ao mesmo tempo, homogeniza alguns padrões de comportamento. Isso significa que podemos aprender com o mundo, mas também podemos acabar paralisados por causa do alto volume, desorganização e diferentes pontos de vista de informações.

Contraditoriamente ao mundo conectado, também estamos vivendo a era de maior individualismo e desconexão entre pessoas. Na internet temos milhares de conhecidos, mas na vida real poucos amigos. Depressão e ansiedade estão aumentando em grande parte pela dificuldade de nos conectar pessoalmente e nos sentir parte de um grupo.

Considerando esse contexto todo, estamos em um momento de pensar em alternativas. Ao observar como os indivíduos que obtiveram sucesso financeiro, profissional, social, político, religioso e cultural, identificamos uma série de fatores que contribuíram para essas conquistas. Inúmeras características positivas e negativas poderiam ser apontadas, mas há uma em especial que supera todas as outras:

Assumir a responsabilidade.

Privilégios, determinação, inteligência e muitos outros são importantes, mas das poucas coisas que podemos realmente controlar e mudar em nós é como assumimos a responsabilidade.

Por isso, buscar a Liberdade Profissional, em primeiro lugar, significa assumir a responsabilidade por encontrar formas de nos expressar nesse mundo através do nosso trabalho. Temos limitações ou privilégios que vão dificultar ou facilitar nossa jornada, mas a premissa principal é que não precisamos – ou até mesmo não podemos – depender de governos ou outras instituições para nos guiar num mundo que transforma rapidamente e nos dá acesso às informações que queremos online.

Nosso trabalho é a forma como agimos no mundo e, assumindo a responsabilidade, podemos nos libertar das dependências institucionais assim como podemos contribuir com a criação de um futuro mais sustentável, colaborativo e igualitário ao compartilhar nossos frutos, conhecimentos e oportunidades com outros.

Também, a Liberdade profissional não é um movimento que atua na esfera governamental, mas sim na individual. Ao nos considerar como responsáveis pelo nosso próprio desenvolvimento, pelo desenvolvimento de outros e também pela aceleração de um futuro mais interessante, estamos praticando política todos os dias. Uma política que não é pelo voto, mas sim pela maneira como agimos, o que apoiamos e como desenvolvemos a sociedade.

Por que esse é um bom caminho?

Ao longo da história podemos observar pequenos grupos com poder e grandes massas sendo exploradas. Com o passar do tempo, as condições de vida melhoraram de forma geral e os regimes políticos e econômicos liberais contribuíram para o aumento do volume de riquezas no mundo. No entanto, as formas de dominação ainda existem. Se antes a dominação era justificada principalmente por proteção a invasores e religiões, hoje temos formas mais sutis como redes sociais e consumismo para nos prender no fluxo desejado pelas chamadas elites.

Não colocamos isso como julgamento de certo ou errado, mas sim como uma observação de que é nosso momento atual e que, no fundo, tudo isso reprime nossa liberdade – tanto de pensamento quanto de nossas ações no mundo.

Liberdade Profissional sem a liberdade nos outros aspectos da vida não faz sentido.

Por isso, acreditamos que o caminho da Liberdade Profissional é também um caminho de expansão da consciência. Quanto mais compreendemos que a vida é complexa, que não precisamos ser iguais para conviver e também como nossas organizações sociais funcionam, mais podemos tomar melhores ações e trabalhar para caminhos menos individualistas.

Viver em sociedade significa abdicar de certas liberdades. Não podemos, por exemplo, agredir, roubar ou mesmo discriminar outras pessoas. As leis servem para isso. Para garantir que os integrantes de uma sociedade não vão atrapalhar os outros. Tudo isso é positivo e não há outra maneira hoje melhor do que instituições governamentais para garantir essa segurança. Ao mesmo tempo, o que fazemos com o restante da nossa liberdade pode ser sim determinado por nós.

Assumindo essa responsabilidade, podemos contribuir para um futuro melhor não só para nós mesmos mas também para todas as pessoas que impactamos através do nosso exemplo, positividade e também trabalho construtivo.

Responsabilidade Social

Não tem graça criar uma bolha em que só alguns tem o conhecimento e a capacidade de viver de forma plena. O mundo hoje já é assim. A desigualdade é um dos maiores problemas no mundo. Desigualdade implica em comparação, em injustiça, em discriminação, em agressividade e em grande parte dos problemas sociais.

Não é a falta de recursos na pobreza que é o problema, mas sim que uns possuem mais recursos do que outros.

Quando assumimos a responsabilidade pela mudança em nós mesmos, também nos responsabilizamos pela disseminação do conhecimento, das oportunidades, do apoio, da alegria e da força que ganhamos. Quanto mais pessoas impactamos através de nossas ações, mais estamos passando adiante esperança e também mostrando possíveis caminhos para quem está perdido.

Uma boa parcela da população está em difíceis estados, recebendo salários mínimos ou até mesmo sem emprego. Já outra enorme parcela tem um emprego que não gosta mas se sente obrigado a continuar nele por pressões sociais, financeiras ou emocionais. Há também algumas pessoas que trabalham com algo que as empolgam e podem sentir o sentimento de contribuição com o mundo, mas fazem isso quase como caridade pois os retornos financeiros são poucos.

Isso significa que poucas são as pessoas formam a parcela que se sente plena, animada e, ao mesmo tempo, recebe bem.

Ao buscar uma vida de Liberdade Profissional, estamos caminhando em direção ao último grupo mencionado. Organizamos nossa vida para ter mais impacto positivo através do nosso trabalho, receber melhor e até ter mais tempo para dedicar à família ou projetos pessoais.

Consideramos como nossa responsabilidade mostrar para outras pessoas que há caminhos diferentes. Apoiar, incentivar e dar confiança para quem só foi reprimido a vida inteira e ensinar que podemos questionar nossas realidades. 

A educação e a pesquisa são tolhidas pelos interesses políticos individuais, normalmente por quem está no poder. Para se manter no poder, não é interessante que a população geral seja questionadora e busque assumir a responsabilidade pelas suas ações. Por isso, acreditamos que a Liberdade Profissional é uma informação livre e pública.

Conhecimento é o poder que pode ser compartilhado.

Humildade como premissa

Cada um de nós está em um momento na jornada pela expansão da consciência e desenvolvimento pessoal. Essa é uma jornada que às vezes é sem fim, às vezes é cíclica e na maior parte das vezes é difícil de a entendermos. E está tudo bem.

A compreensão das nossas incapacidades significa crescimento e maturidade. Ter humildade é reconhecer que nossa verdade não é a única e que nossa forma de pensar está em constante mudança. Por mais que nossa visão de mundo pareça correta, ela é apenas nossa opinião. Não é nem mais certa nem mais errada do que a de outras pessoas. Inclusive, provavelmente estamos longe de compreender o mundo de forma determinística.

Portanto, o método científico é sensacional pois tem como princípio o reconhecimento de que todo conhecimento pode ser questionado e que quanto mais o questionamos e o refinamo, mais ele se solidifica. No entanto, uma nova tecnologia ou uma nova teoria pode desbancar qualquer concepção.

A Liberdade Profissional é acompanhada de muita desconstrução de conceitos e preconceitos que nossas famílias, amigos, culturas e mídias consideram como absolutos. Então é preciso ter a humildade para reconhecer nossa visão de mundo ao mesmo tempo que confiança para enfrentar os padrões da sociedade.

Para evitarmos a criação de cultos ou novas verdades absolutas, acreditamos no posicionamento humilde, questionador, argumentativo, amoroso, compreensivo e íntegro. Podemos discordar e bater de frente em discussões, mas não pelo ataque às crenças e formas de ver o mundo dos outros e sim através de argumentação com dados, fatos, teorias e ideias que acreditamos.

Ao mesmo tempo, faz parte estar aberto às ideias dos outros pois, muitas vezes, somos nós que estamos olhando através de uma viseira.

Ação positiva

A ideia de uma ação positiva vem da vontade de contribuir para a aceleração de um futuro que almejamos. Se você se identifica com a Liberdade Profissional, provavelmente se identifica também com a vontade de deixar o mundo um lugar melhor para vivermos. Não só para poucos, mas para todos.

Ações positivas são outras formas de fazer política também. O que compramos, como conversamos com as pessoas ou quais causas apoiamos. Ao agir em cada uma das esferas sociais nos nossos dias temos a opção de deixar um legado positivo ou negativo no ambiente.

Podemos jogar um lixo na rua ou catar um lixo da rua.

Podemos deixar uma pessoa sem esperança ao compartilhar violência ou deixar uma pessoa esperançosa ao compartilhar beleza.

Podemos comprar mais um par de sapatos que não vamos usar ou então usar o dinheiro para comprar um livro ou apoiar uma causa.

A ação positiva é pensada e pode acontecer a todo momento. Somos condicionados pelos nossos hábitos a fazer determinadas coisas que nem questionamos se são boas ou ruins. Afinal, simplesmente sempre fizemos assim. No entanto, devemos sim analisar nosso padrão de comportamento e buscar agir de forma mais sustentável para o meio ambiente e amorosa e positiva para nossas relações sociais.

Percebam que nas mãos de cada um sempre há algum poder, um poder específico de expressão, de influência, de transformação. E, se esse poder existe em seu coração, afine-o com a sua inteligência. Uma pequena transformação pode transformar a todos, mesmo que não se perceba.