A teoria das bandeiras – Qual lugar te trata melhor?

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Imagine poder morar em qualquer lugar, seus recursos financeiros protegidos e distribuídos, sua privacidade segura e praticamente não precisar parar impostos.

Essa é a promessa da teoria das bandeiras.

Como vivemos em um mundo globalizado e interconectado, temos acesso muito fácil a informações sobre outros países e locais no mundo. Isso significa que, com essas informações, podemos sair um pouco da caixinha e tomar as melhores decisões com relação ao modo que fazemos nossos investimentos e até como vivemos.

A ideia por trás da teoria das bandeiras é que você deve ir aos lugares que te tratam melhor.

Nem sempre o local que nascemos vai ser o que nos trata melhor. Por isso, quando baseamos parte da nossa vida em um outro país, plantamos uma bandeira lá.

Vou explicar um pouco melhor cada detalhe.

O que é a teoria das bandeiras?

Migrar para outros países não é nenhuma novidade. A história humana é pautada por mudanças de locais em busca de uma situação melhor, mais recursos e segurança.

Com o crescimento de cidades, formatação de Estados e governos, cada vez mais formatamos uma ideia de que “temos um local nosso”. No entanto, o número de imigrantes no mundo cresce todos os anos. Para ter uma ideia, só em 2017 o número indivíduos vivendo como imigrantes no mundo chegou a 258 milhões de pessoas de acordo com um relatório da ONU.

A ideia da teoria das bandeiras, no entanto, é um passo além das migrações. Plantar bandeiras em vários países significa aproveita o que cada lugar tem de melhor.

Vamos analisar um indivíduo comum:

  • Nasce em um país e mora lá a vida toda
  • Vai pra escola e universidade nesse mesmo local
  • Trabalha em uma empresa ou no próprio governo desse país
  • Tem uma conta bancária, aposentadoria e investimentos em bancos nesse país
  • Mantém seus recursos financeiros na moeda local
  • Aluga ou compra um imóvel em uma cidade desse país
  • Tem apenas o passaporte desse país
  • Paga seus impostos de acordo com as leis desse país

Isso significa que, pelo simples motivo de ter nascido em uma região do mundo, você segue um determinado padrão cultural e de regras. Está limitado às opções que esse país lhe dá.

Muito provavelmente, o governo do país que nasceu tem todo um plano para:

  • Determinar o que deve e não deve ser ensinado nas escolas
  • Controlar suas finanças e investimentos
  • Controlar sua privacidade
  • Te dizer quais são os tratamentos ou procedimentos médicos que pode fazer
  • Liberar venenos (agrotóxicos) na sua comida
  • Garantir que que é rico continue rico
  • Por aí vai

Além disso, não há governos nesse mundo que não passam por crises, países que não entram em recessão ou mesmo lugares que estão isentos de catástrofes naturais.

Mesmo sabendo desses problemas, a maior parte das pessoas continua vivendo suas vidas sem questionar se há alternativas.

A maior parte das pessoas não questionam essas coisas e não sabem que podem buscar mais segurança, benefícios e prosperidade plantando bandeiras em outros lugares no mundo.

Plantar uma bandeira significa internacionalizar alguma parte da sua vida para um Estado que te trata melhor naquele aspecto. Na prática, uma boa estratégia na hora de plantar suas bandeiras pode lhe garantir:

  • Pagar pouco ou nenhum imposto
  • Educar seus filhos da maneira que deseja
  • Investimentos mais rentáveis
  • Assegurar seus recursos financeiros
  • Garantir sua privacidade
  • Viver com melhor qualidade de vida
  • Ter mais segurança

Uma referência bacana e mais completa sobre a teoria das bandeiras pode ser encontrada no site Nomad Capitalist.

Como eu penso sobre a teoria das bandeiras

Se você é novo aqui no blog, talvez não saiba que eu sou um nômade digital. Basicamente, desde que casei eu e minha esposa escolhemos não ter um lugar único para viver, mas sim ficamos mudando de cidade e país quando achamos interessante.

No entanto, só fui estudar sobre a teoria das bandeiras depois que já vivia esse estilo de vida.

Achei interessante pois era algo que já me passava pela cabeça. Alguns dos meus clientes como profissional autônomo não eram do Brasil, então já pensava nisso como uma forma de segurança uma vez que nem sempre o mercado brasileiro está aquecido. Então ter clientes espalhados pelo mundo me dá uma segurança de sempre ter acesso a bons mercados.

Eu não sou o tipo de pessoa que é devoto do liberalismo e do capitalismo inquestionavelmente. Por isso, discordo de alguns pontos que a teoria das bandeiras defende – como o não pagmento de nenhum imposto.

Ao mesmo tempo, não vejo sentido em colocar todas minhas fichas em um só lugar.

Eu não sou patriota e acho que nunca fui. Pra mim, ser brasileiro nada mais é do que uma designação de ter nascido aqui. Eu acredito numa sociedade internacional. Todos, ao meu ver, são iguais e vou tratar com amor igualmente qualquer indivíduo e animal.

Eu gosto muito da ideia de ter uma empresa num país que melhor tem incentivos. As contas bancárias em outros países que tem melhores condições de investimentos e segurança. Morar num lugar com mais segurança e qualidade de vida.

Ao mesmo, quero contribuir para todos esses locais de alguma maneira. Seja com impostos ou com ações sociais, acredito que é minha responsabilidade ajudar o mundo a se desenvolver.

Exemplos da teoria das bandeiras

Existem alguns tipos mais comuns de se plantar as bandeiras no mundo e vou te apresentar alguns exemplos.

Teoria das três bandeiras (original)

De acordo com o Nomad Capitalist, Harry Schultz foi o criador da teoria das três bandeiras. Essa estrutura divide em três partes as ações de internacionalizar a vida.

1- Resida em um lugar que não tenha imposto para renda vinda de fontes externas.

Países normalmente possuem três tipos de impostos de renda para os seus cidadãos: Território, residência e baseado na sua cidadania.

Taxação territorial significa que, mesmo que viva em um país, renda ganha fora desse país não é taxada localmente.

Por exemplo, Cidadãos de Cingapura podem ganhar dinheiro em qualquer lugar do mundo sem precisar pagar impostos em Cingapura. Isso significa que um cidadão de Cingapura pode ganhar uma renda no Brasil ao alugar um apartamento para o Airbnb em Florianópolis e apenas pagar os impostos brasileiros dessa renda.

Ao mesmo tempo, esse mesmo cidadão pode ter uma empresa em Hong Kong e apenas pagar os impostos relacionados ao salário dos funcionários e não pagar nenhum imposto pelo lucro gerado.

Taxação residencial, por sua vez, significa que você paga impostos baseados no local que vive. Muitos países seguem o princípio dos “183 dias”, que implica que se você passa mais da mentade do seu ano num ano no país, deve a ele o imposto pela sua renda geral.

Cada país, naturalmente, tem suas regras próprias para determinar se você está residente de fato ou não. Dependendo, pode conseguir demonstrar para seu país de origem ou outro que possua residência que não passa o tempo suficiente lá e não tem outras relações que justifiquem o imposto de renda. Cada caso é um e, inclusive, eu entendo muito pouco dessa área no momento.

Taxação por cidadania, finalmente, é algo que só é aplicado pelos Estados Unidos e pela Eritreia no mundo atualmente. Significa que você tem cidadania em um desses países, deve a eles imposto de renda não importa onde more no mundo.

2- Tenha seu negócio em uma economia estável e com baixa (ou nenhuma) taxação.

A partir do momento que você reside em um local que não tem taxação de imposto de renda – ou então vive viajando permanentemente para não dever imposto a um determinado local -, você pode criar seu negócio em um outro país que tenha as melhores vantagens para empresas.

Várias empresas grandes fazem esse tipo de ação. Estabelecem empresas em países que não taxam lucros e tem incentivos.

Ao mesmo tempo que você tem uma empresa num lugar assim, também pode garantir que suas reservas financeiras estejam em moedas fortes e em bancos de países mais estáveis.

Naturalmente, dependendo do país que você tem cidadania há limitações no tipo de operação que você pode fazer dentro da legalidade. Por isso, nunca haja sem consultar um especialista na área. Esse texto é meramente para te introduzir as possibilidades. Não entendo nada dos detalhes legais brasileiros.

3- More como turista em um local para mais liberdade e menos impostos.

No momento eu vivo como nômade digital, ou um “Viajante Perpétuo”, como alguns preferem. Eu não tenho uma residência em lugar algum e vou mudando de acordo com a vontade.

Esse conceito é importante pois turistas, em geral, são tratados muito bem do ponto de vista de impostos em diversos lugares. Em muitos países turistas não precisam pagar impostos locais. Inclusive, se você guarda as notas fiscais das suas compras pode receber de volta o imposto no aeroporto quando sai do país.

Outra forma interessante de lidar com isso é a aquisição de uma segunda residência em outro país. Alguns países podem lhe oferecer visto de residência dependendo do seu perfil ou então se você faz investimentos financeiros no lugar.

Ter uma segunda residência é bacana por vários motivos, tanto fiscais quanto para ter mais segurança caso o seu país de origem passe por crises ou problemas governamentais.

Infinitas bandeiras

Esse é apenas um ponto de partida. A teoria das bandeiras compreendem uma série de possibilidades. Se você precisa de atendimento médico, dependendo vale a pena ir para outro país que ofereça serviços de excelente qualidade por preços melhores.

Se deseja passar férias, por que não ir para um país que tenha um custo de vida mais baixo e, por isso, fazer com que sua moeda valha mais?

Existem várias facetas em nossas vidas e provavelmente existe um país diferente do seu que vai te oferecer um benefício melhor do que o seu de origem em alguns dos pontos.

No nosso caso do Brasil, temos algumas vantagens fiscais quando você tem uma empresa e também do serviço de saúde público que é muito bom. No entanto, se você é assalariado e começar a ganhar um pouquinho mais, verá que os impostos são muito altos pelo que recebe em contrapartida do governo.

Não há problemas em pagar muitos impostos. O problema é quando os impostos são direcionados para financiar salários de servidores públicos gigantescos e não para garantir boa educação e segurança para os seus cidadãos.

Fechando, gostaria de saber sua opinião sobre a teoria das bandeiras e se você já aplica algum desses conceitos na sua vida hoje. Deixa nos comentários abaixo.

Divirta-se!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

FAÇA PARTE DA MINHA LISTA DE E-MAILS

Toda semana envio reflexões e dicas para pessoas que estão no caminho para a autonomia profissional.

Novas ferramentas, dicas de livros, vídeos, podcasts e muito mais. Eu passo grande parte dos meus dias em busca dos melhores recursos e informações que ajudam freelancers e profissionais autônomos.

Quer uma vida mais autônoma?

Se inscreva na nossa newsletter para receber conteúdos importantes para o seu desenvolviemento profissional.